Compartilhe

“Em 2018 fizemos algo que você não gostou. Então, em 2019…”

O YouTube colocou essa frase em sua conta oficial do Twitter para compartilhar o vídeo do YouTube Rewind 2019, com o seu resumo dos últimos 12 meses na plataforma. E pelas reações que eu li das pessoas que já viram o vídeo e compartilharam a suas impressões sinceras sobre o mesmo nas redes sociais, parece que a plataforma ainda não aprendeu a lição.

 

 

Uma mudança de abordagem compreensível, mas questionável

É sempre importante lembrar que o YouTube Rewind 2018 entrou para a história da pior forma possível ao se tornar o vídeo com o maior número de dlislikes do YouTube em todos os tempos, superando o lendário e até então considerado imbatível “Baby” de Justin Bieber.

Muitos internautas e youtubers reclamaram que o grande problema do Rewind 2018 é que o vídeo se preocupou em colocar apenas os grandes youtubers da plataforma (alguns nem tão populares no número de inscritos, mas com um potencial financeiro e mediático muito maior), mas que não necessariamente representavam aquilo que os internautas mais estavam assistindo no YouTube.

Pois bem, em 2019, o YouTube decidiu refletir essa representatividade, mas o fez de uma forma em que parecia uma espécie de “troco” para quem reclamou. Algo do tipo: “bom, vocês reclamaram de nós quando a gente colocava um baita orçamento para fazer o Rewind… pois bem, agora vamos fazer um vídeo com uma colagem dos mais populares, mas vamos gastar quase nada no projeto”.

Não ficou ruim… mas ficou meio pobre dessa vez, mesmo com um elaborado trabalho de edição (que pode muito bem ser feito por qualquer um que conte com habilidades avançadas de edição).

 

 

YouTube entregou o que a maioria queria e, mesmo assim…

 

 

O YouTube Rewind 2019 se resumiu a um resumo dos números da plataforma nos últimos 12 meses, apresentando os vídeos mais curtidos, mais visualizados, youtubers que mais ganharam audiência no período e alguns recordes.

O Brasil está representado em alguns momentos, com a presença do “vovô do slime” (um vídeo que realmente bombou por aqui), Whinderson Nunes e Felipe Neto. Dos artistas internacionais, destaques para a cantora espanhola Rosalía e para o grupo sul-coreano BTS, já que ambos bateram recordes nos vídeos musicais.

Para mim, esse formato do YouTube Rewind 2019 foi menos irritante que o do ano passado (que não me gerou tanto hate em mim), mas eu vou entender perfeitamente se as pessoas reclamarem do vídeo de resumo desse ano. O sentimento de retaliação fica meio evidente na pobreza da ideia (sem criatividade).

E, ao que tudo indica, temos um YouTube que, mais uma vez, tem sérias dificuldades em ouvir o seu público e os produtores de conteúdo, sendo (de novo) incapaz de entregar algo que as pessoas vão gostar. O que não chega a ser uma surpresa para a maioria: as decisões administrativas que a plataforma tomou ao longo de 2019 são mostras claras em como essa surdez seletiva se faz presente entre aqueles que assumem as rédeas lá dentro.

Vou aguardar pacientemente os comentários dos internautas sobre o YouTube Rewind 2019. Algo me diz que a chapa vai esquentar. De novo.

 


Compartilhe